24 C
Imperatriz
sábado, maio 25, 2024
spot_img
InícioAssinanteGrávida de sete meses morre em maternidade e família denuncia negligência no...

Grávida de sete meses morre em maternidade e família denuncia negligência no MA

Uma mulher que estava grávida de sete meses, identificada como Juliana Vieira dos Santos, de 30 anos, morreu durante o tempo em que buscou atendimento no Hospital Municipal e Maternidade Dr. Luiz Gregório Nogueira, na cidade de Coelho Neto, a 385 km de São Luís. A família de Juliana suspeita que houve negligência por parte da equipe médica. O bebê que ela esperava também não resistiu.

De acordo com os familiares de Juliana, ela foi para a maternidade pois estava se sentindo mal. Durante quase oito horas, desde que deu entrada no hospital e recebeu algumas medicações, o estado de saúde da gestante se agravou e ela não resistiu, e acabou morrendo na unidade hospitalar.

O marido de Juliana, Manoel Ribeiro Lima, diz que acompanhou todo o atendimento da esposa até o momento em que ela morreu. Ele conta que a médica que estava de plantão não consultou a gestante e que só prescreveu os medicamentos a ela. “A médica estava sentada na mesa dela. Não se pôs a ir até a paciente pra averiguar se ela realmente tava com AVC. Ela só me perguntou se ela tinha essa idade, se ela tinha pressão alta. Ela fez a prescrição todinha para as enfermeiras”, disse.

De acordo com Manoel, após ser medicada pelas técnicas de enfermagem que estavam de plantão e ficaram responsáveis por ela, Juliana Vieira dormiu e algumas horas depois começou a convulsionar. Ele acrescenta que somente após a sua esposa apresentar um quadro clínico grave, a médica responsável retornou para o local onde Juliana estava hospitalizada, mas a gestante já tinha tido uma parada cardíaca. Ela não resistiu e morreu.

Após a morte da gestante, amigos e familiares protestaram em frente ao Hospital Municipal e Maternidade Dr. Luiz Gregório Nogueira. Eles ainda buscam saber o que aconteceu, já que Juliana Vieira estava fazendo todo o pré-natal e a sua gravidez não era considerada de risco.

O Jornal Mais Maranhão pediu um posicionamento ao município de Coelho Neto e aguarda resposta.

Lucas Aquino
Lucas Aquino
Acadêmico de Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Membro da equipe de jornalismo do Imperatriz Online.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
CAPTCHA user score failed. Please contact us!

- Publicidade -spot_img

Mais Populares

- Publicidade -
#

Ultimos Comentários

× WhatsApp