22.5 C
Imperatriz
quinta-feira, fevereiro 29, 2024
spot_img
InícioAssinanteDois anos anos após médico ser morto por PM, em Imperatriz, família...

Dois anos anos após médico ser morto por PM, em Imperatriz, família cobra por justiça

Hoje (26) completa dois anos da morte do médico Bruno Calaça, morto a tiros em uma boate na Avenida Beira-Rio em Imperatriz, e a cobrança por justiça continua. O tiro que matou o médico foi disparado pelo, na época, policial militar, Adonias Sadda, que após o crime foi expulso da corporação, e continua preso.

Em um vídeo gravado ao Imperatriz Online, a mãe do médico, Ariélia Calaça, cobra a condenação do ex-policial, que ainda não foi julgado, e de outros dois homens, um deles não chegou a ser indiciado e o outro responde em liberdade.

Ariélia Calaça, mãe de Bruno, cobra condenação de envolvidos na morte do filho

RELEMBRE O CASO


Bruno Calaça foi morto com um tiro no peito, na madrugada do dia 26 de julho em uma festa ilegal, em uma boate na Avenida Beira-Rio. O crime foi filmado por câmeras de segurança do local.

O tiro que matou o médico foi disparado pelo ex-policial militar, Adonias Sadda. Em um dos seus depoimentos o acusado chegou a dizer que o tiro foi acidental, mas o argumento foi descartado pela polícia.

Imagem gravada por câmera de segurança do momento em que o médico foi baleado

Em agosto de 2021, a Delegacia de Homicídios de Imperatriz concluiu o inquérito policial que investigou o assassinato de Bruno. O inquérito indiciou somente Adonias Sadda e um advogado, amigo do ex-PM. A polícia não conseguiu comprovar a participação de um terceiro homem, que estava com o ex-PM e o advogado.

O crime foi motivado por um desentendimento entre a vítima e um dos amigos do ex-PM, o advogado que aparece na imagem levando Adonias até Bruno. A discussão ocorreu horas antes do crime, ainda na boate, e o ex-PM não estava no local.

Adonias Sadda foi indiciado por homicídio duplamente qualificado. Já o advogado foi indiciado por ameaça e lesão corporal.

A morte de Bruno Calaça teve repercussão nacional, e é um dos casos mais marcantes de Imperatriz e do Maranhão. Bruno tinha apenas 24 anos quando foi morto e havia se formado em medicina cerca de 10 dias antes do crime. O diploma do médico foi entregue a mãe no mês seguinte ao da sua morte.

Valéria Cristina
Valéria Cristina
Jornalista - Graduada no curso de Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Membro da equipe de Jornalismo do Imperatriz Online e Mais Maranhão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
CAPTCHA user score failed. Please contact us!

- Publicidade -spot_img

Mais Populares

- Publicidade -
#

Ultimos Comentários

× WhatsApp