22 C
Imperatriz
quinta-feira, junho 17, 2021
spot_imgspot_img
InícioSaúdeSaiba como diferenciar os sinais da preguiça dos da depressão

Saiba como diferenciar os sinais da preguiça dos da depressão

Em um dia chuvoso, quem nunca sentiu falta de ânimo para sair das cobertas? Depois de uma série de reveses profissionais, como manter o entusiasmo no trabalho? Ao longo da vida, passamos por diversos episódios nos quais a preguiça e a depressão parecem se confundir.

“A depressão é uma doença mental crônica, incapacitante, que varia de intensidade, podendo ser leve, moderada ou grave”, conta a psicóloga Marilene Kehdi. “A preguiça surge por vários motivos, entre eles, pelo fato de a pessoa estar cansada porque dormiu tarde ou porque está com muitas tarefas para fazer no mesmo dia.”

No mundo, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), mais de 300 milhões de pessoas de todas as idades enfrentam a depressão –doença que é considerada a causa principal de afastamentos do trabalho.

Ainda de acordo com a OMS, cerca de 800 mil pessoas cometem suicídio todos os anos. “A depressão necessita de tratamento médico”, alerta a psicóloga.

Kehdi, especialista em atendimento clínico, explica que nem sempre a depressão se manifesta igualmente em todos. “Pode acontecer também de a pessoa com depressão apresentar muita ansiedade, inquietação, agitação ou ficar muito catastrófica.”

Multifatorial, a depressão também pode ter causas físicas, como carga genética e desequilíbrio na produção de neurotransmissores, podendo estar associada a outras comorbidades.

Algumas das características da depressão são:

– Tristeza permanente por, pelo menos, dois meses seguidos

– Sensação profunda de vazio

– Falta de motivação crônica

– Apatia

– Irritabilidade

– Isolamento

– Excesso de sono

– Ganho ou perda de peso

– Sem vontade de viver

“Algumas pessoas, por falta de conhecimento, acabam interpretando a falta de energia, o excesso de sono e a falta de motivação, que ocorrem num quadro depressivo, como sendo preguiça. Confundem e não validam a depressão que a pessoa está sentindo.”

Apesar de o ócio ser considerado um fator importante para a saúde mental e para o cultivo da criatividade, até mesmo a preguiça em excesso pode comprometer a vida social, a autoestima e o trabalho.

“Nesses casos, a psicoterapia ajuda muito no autoconhecimento e na mudança de padrões de pensamentos, comportamentos e crenças sobre nós mesmos”, pontua Kehdi.

Postergar constantemente as tarefas ou não ter entusiasmo para realizar afazeres diários pode ser sintoma de outras doenças que necessitam de ajuda médica, como, por exemplo, hipotireoidismo, anemia e distúrbios do sono.

“É fundamental buscar ajuda especializada quando uma pessoa perde a motivação e se torna apática, a ponto de afetar todas as áreas de sua vida”, conclui Kehdi.

Fonte: Catraca Livre

Simone Joe
Graduanda em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, na Estácio. Letras (UEMA) e pós-graduada em Português para Jornalistas (Unyleya). Membro da equipe jornalística do Imperatriz Online.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Mais Populares

Ultimos Comentários

José Galvão on Quatro feridos em tiroteio
Jaciane oliveira de Sousa on Casamento comunitário será online
Pablo Nascimento Cortez Moreira on Professor Frazão morre por complicações de covid-19
Ildeane Ramos do Nascimento on Caixa Econômica tem novo horário de atendimento
× Fale com a gente, agora!